Quinta-feira, 09 de Dezembro de 2010

 

IGREJINHA

 

Lá no fim desse caminho

De manhã muito cedinho

Eu costumo passear


Pois ali pertinho existe

Uma igrejinha branca e triste

Onde meu bem vai rezar


Mas num jardinzinho ao lado

Surge um beija-flor dourado

Despetalando uma flor


Choro então com agonia

Pois essa flor que morria

Parecia meu amor


Noites tristes, mas que importa,

Se minha alma quase morta

Em soluços se desfaz?


Hoje é tudo tão tristonho

Para mim que já não sonho

Nem desejo viver mais…

 

 


Mira Lopes

 


I feel like a:
proudly received by Maria João Brito de Sousa às 15:13

De linhaseletras a 10 de Dezembro de 2010 às 14:14
Boa tarde Maria João, este poema é muito bonito, o autor é português ou brasileiro?
Um abraço e bom fim de semana

De
 
Nome

Url

Email

Guardar Dados?

Ainda não tem um Blog no SAPO? Crie já um. É grátis.

Comentário

Máximo de 4300 caracteres



Copiar caracteres

 



almost everything about me
look for it
 
Dezembro 2010
D
S
T
Q
Q
S
S

1
2
3
4

5
6
7
8
9
10
11

12
13
14
15
16
17
18

19
20
21
22
23
24
25

26
27
28
29
30
31


last words
Obrigada, amiga!O meu dia promete muita dor e desc...
Tua Poesia,Acabou de embelezar o prémioe de que ma...
Abraço grande! Obrigada pelo teu comentário e pel...
Poesia fresca gotejante, como flor que é!Inútil ou...
Feliz tarde também para ti, Anjo!
Vivaaaaaaaafeliz tarde
Viva a Poesia, Anjo!
E viva a Poesia
Tens toda a razão, Maria Luísa! Respondo apenas pa...
Mª. joãoProcura responder só ao que interessa muit...
small parts of me
subscrever feeds

blogs SAPO


Universidade de Aveiro